Produzimos estudos estratégicos sobre a indústria de petróleo, gás e biocombustíveis, tendo como princípios a soberania nacional, a preocupação com a autossuficiência e segurança energética, bem como o zelo com a coisa pública. 

Contato

Avenida Rio Branco, 133, 21º andar, Centro

Rio de Janeiro, RJ.

+55 (21) 99374.2894

Menu

  • Facebook ícone social
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram ícone social

Copyright Ineep 2018 - 2019. Todos os direitos reservados.

Buscar

Governo despreza refino nacional e busca outras alternativas para frear altas nos preços


Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O jornal Correio Braziliense informa, em matéria de Augusto Fernandes, que o governo está trabalhando em um plano para impedir que as altas no preço internacional do petróleo tenham menor impacto no preço dos combustíveis aqui no Brasil. Segundo o ministro de Minas e Energias, Bento Albuquerque, a ideia seria utilizar recursos dos royalties e participações especiais do petróleo para compensar eventuais impactos.


Representantes do setor entrevistados na matéria dizem que a estratégia faz sentido. Entretanto, para o coordenador-técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rodrigo Leão, o Estado não pode ficar restrito apenas ao debate de natureza fiscal.


“Também é recomendável olhar um pouco para o que acontece hoje no setor de refino do Brasil. Nos últimos anos, o país tem enfrentado uma nova realidade: a de redução do uso do parque de refino da Petrobras. Do volume de 2,3 milhões de barris de derivados que a empresa pode produzir por dia, ela está refinando de 1,7 a 1,8 milhão de barris. Ou seja, em vez de usarmos as nossas refinarias para produzir gasolina, estamos indo lá fora comprar dos Estados Unidos, da Argélia e de outros países”, alerta.


Entre janeiro e novembro de 2019, o volume de importação de óleos combustíveis cresceu 12,4% na comparação com o mesmo período de 2018, com o Brasil tendo gasto US$ 6,26 bilhões na compra de derivados do petróleo do exterior. “Se a Petrobras refinasse mais petróleo aqui, dependeríamos menos de importação e reduziríamos os impactos causados pela volatilidade do mercado internacional. Além disso, quanto mais derivado tiver no mercado interno, a tendência é que mais volátil fique o preço”, destaca Leão.


Leia a matéria completa no Correio Braziliense.

Temas de estudo