Produzimos estudos estratégicos sobre a indústria de petróleo, gás e biocombustíveis, tendo como princípios a soberania nacional, a preocupação com a autossuficiência e segurança energética, bem como o zelo com a coisa pública. 

Contato

Avenida Rio Branco, 133, 21º andar, Centro

Rio de Janeiro, RJ.

+55 (21) 99374.2894

Menu

  • Facebook ícone social
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram ícone social

Copyright Ineep 2018 - 2019. Todos os direitos reservados.

Buscar

Leão à Carta Capital: Crise expõe enfraquecimento do poder da Opep


O presidente russo Vladimir Putin com o príncipe e ministro da defesa saudita Mohammad bin Salman Al Saud. Foto: Divulgação

Hoje a Rússia tenta disputar poder de mercado para ocupar o papel que a Opep perde nos últimos anos, opina Leão.

O economista Rodrigo Leão, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos do Petróleo, explicou em entrevista a Vitor Ohana, da revista Carta Capital que a atual crise começa com a queda na demanda chinesa e se agravou com a disputa entre Rússia e Arábia Saudita. Essa disputa internacional expôs o enfraquecimento da capacidade da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) em controlar o mercado de petróleo. Hoje, portanto, a Rússia tenta disputar poder de mercado para ocupar o papel que a Opep perde nos últimos anos, opina Leão.


Outros especialistas ouvidos pela revistas concordam que o Brasil apresenta uma reação apática à crise global.


A epidemia de coronavírus também impactou nos preços do petróleo e gerou uma guerra de preços entre países produtores da mercadoria. Segundo o coordenador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rodrigo Leão, houve uma crise de demanda gerada pela redução das importações de petróleo cru pela China, em função do coronavírus.


“O que acontece agora é reflexo de uma queda lenta, mas consistente, da demanda chinesa que tende a se agravar no médio prazo. É a queda mais importante nos últimos 40 anos. Ao afetar o preço do petróleo, colocou de novo em discussão uma possível reação dos países produtores para conter a queda do preço. O problema é que a relação entre Rússia e Opep não é simples, é complexa. O último acordo para conter a queda de preços em 2014 só se efetivou um ano e meio depois”, analisa Rodrigo Leão.


Para o especialista, a Opep vem perdendo controle sobre o mercado internacional de petróleo, embora represente parcela importante da produção. Hoje, portanto, a Rússia tenta disputar poder de mercado para ocupar o papel que a Opep perde nos últimos anos, opina Leão.

Fonte original: https://www.cartacapital.com.br/economia/brasil-tem-reacao-apatica-a-caos-global-e-cenario-preocupa-economistas/

Temas de estudo